palavra viva

“LEVANTAI OS OLHOS E OBSERVAI AS ALTURAS: QUEM CRIOU TUDO ISSO? FOI AQUELE QUE COLOCA EM MARCHA CADA ESTRELA DO SEU INCONTÁVEL EXÉRCITO CELESTIAL, E A TODAS CHAMA PELO NOME” (ISAÍAS 40:26)

DOAÇÕES

DOAÇÕES

DOAÇÕES

Obrigado a todos que mensalmente mostram seu apoio para O BLOG FOLHA DE CUXÁ. Lembre-se de fazer uma doação de qualquer valor R$ para a continuidade do nosso trabalho. Qualquer quantidade de apoio financeiro neste momento será direcionada para cobrir despesas e manutenção. Agradeço antecipadamente...obrigado a todos que mostraram seu apoio para o nosso trabalho!

O SIGNIFICADO DA VIDA

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Grajaú desperta para turismo de aventura e indígena.


Cachoeira dos Morcegos, em Grajaú, é um dos locais mais visitados por turistas que buscam turismo de aventura.
Empreendedor Linkon Barros, proprietário do balneário Cacheira dos Morcegos, tem despertado para investir no negócio, transformando-o em um roteiro turístico.


Na comunidade indígena Bacurizinho, o turista tem a oportunidade de experimentar vivências indígenas.
Equipe do Sebrae durante visita a comunidade indígena Bacurizinho.


índia durante ritual “da menina moça” ou “moqueado”. 


A Cachoeira dos Morcegos e Aldeia Bacurizinho já recebem visitantes e o Sebrae está acompanhando esse processo de desenvolvimento turístico na região, trabalhando a estruturação desses roteiros dentro da ótica empreendedora.


Para quem busca diversão, aventura, cultura e muita interação com a natureza e com os povos indígenas Guajajaras, um dos melhores roteiros encontrados no Maranhão está na cidade de Grajaú, a 564 km de São Luís, em média 8h da capital maranhense. A cidade carrega consigo o título de “Princesinha do Cerrado Maranhense” e é com esse título que tem atraído turistas e investimentos para a região.

Com 206 anos, Grajaú é uma das cidades mais antigas do Maranhão. Com pouco mais de 60 mil habitantes e um território com cerca de 9.000 km², dois biomas predominantes, o cerrado e amazônia, além de contar com a terra indígena Bacurizinho, que tem quase cinco mil índios da etnia Guajajara. Nesse contexto geográfico, histórico e cultural, a cidade desperta para o desenvolvimento do ecoturismo e turismo indígena.

O roteiro turístico, que ainda está em fase de estruturação para que seja considerado um produto turístico, é oferecido na região centro sul, em pleno cerrado maranhense, ás margens dos rios Grajaú e Mearim, oferecendo mais do que lazer, conhecimento e aventura, a proposta é incentivar a prática de esportes radicais e vivência nas aldeias da terra indígena Bacurizinho.  

Em meio a rios e uma mata ainda intacta entre os municípios de Grajaú, Barra do Corda e Fernando Falcão, está localizada a Cachoeira dos Morcegos, balneário que fica dentro da propriedade do empresário Linkon Barros, um dos locais mais visitados pelos turistas em Grajaú. A cachoeira dos morcegos fica a 30 km da cidade de Grajaú e tem um bom acesso em estrada de chão. Muita gente visita a cachoeira que traz esse nome porque durante a noite as brechas e paredões de arenito servem como refúgio para os animais.

A queda d'água tem quase 10 metros de altura, mas não é a única atração do lugar. Com um total de 1.400 hectares, a propriedade de seu Linkon é um paraíso natural ainda pouco explorado, por isso, totalmente preservado.  Acreditando no potencial turístico da sua propriedade, o empresário Linkon Barros, de 56 anos, tem recebido visitantes e aventureiros que buscam o local para praticar esportes radicais, mergulhar nas águas cristalinas do rio Grajaú e descansar. O turista que vai a Cachoeira dos Morcegos encontra uma beleza inenarrável e ainda pouco explorada, além de uma paisagem maravilhosa das serras. Acreditando nisso, Linkon procurou o Sebrae, em busca de parceria para que fosse realizado o estudo sobre o potencial turístico de sua propriedade.

“A natureza foi muito generosa comigo. Aqui na cachoeira já recebo gente de toda a região e de outros estados e agora vou agregar valor em cima disso. Nesse sentido, procurei orientação do Sebrae em Grajaú, fiz algumas capacitações, inclusive o Empretec, que mudou minha visão empreendedora. Com a finalização do estudo sobre turismo realizado pelo Sebrae, a proposta agora é investir em estrutura que acomode os turistas. Acredito que com o acompanhamento que estou recebendo, poderei investir mais na minha propriedade e assim ajudar a desenvolver turismo em Grajaú”, destacou o empresário.

Turismo indígena

Na região de Grajaú, estão vários grupos indígenas, os Guajajaras, Timbiras e Kanelas, povos que deram origem ao nome do mais novo polo turístico do Maranhão, o Polo Turístico Regional das Serras, Guajajara, Timbira e Kanela. Contudo, especificamente entre as cidades de Grajaú e Formosa da Serra Negra, está a terra indígena Bacurizinho, dos índios Guajajaras, da família Tupi-guarani, que falam “tenetehara”.
Para desbravar as belezas naturais e atrativos culturais do roteiro turístico da terra indígena Bacurizinho, o turista percorre 22 km de estrada de chão em bom estado. Os moradores da principal aldeia acomodam, apresentam e acompanham os visitantes pelo roteiro turístico. Ligada a evolução tecnológica, na aldeia já tem internet banda larga, energia e a maioria das casas são construídas de engenharia convencional. 
No Brasil o turismo indígena começa a despontar e já é uma medida normatizada pela Funai. Na terra indígena Bacurizinho que possui 18,20% do território do município de Grajaú, os indígenas já estão realizando atividades turísticas usando suas tradições e costumes como principal atrativo e já é possível viver um dia de índio visitando a rotina nas aldeias.

Os turistas são recebidos pelos índios e conversam com os moradores das aldeias, incrustadas em meio ao cerrado, cortadas pelo rio Grajaú. Nas aldeias, além de vivenciarem a cultura indígena, participam dos rituais de passagem como o “da menina moça” ou “moqueado” - celebrado quando uma índia vivencia o início de seu ciclo menstrual - e da dança tradicional indígena, onde o turista pode pintar seu corpo com a arte indígena feita com tinta de jenipapo (líquido extraído a partir do fruto do jenipapeiro), mergulhar no rio Grajaú e tomar banho de cachoeira, além de conhecer e comprar o artesanato produzido pelas índias, contribuindo assim, com a renda familiar da aldeia. Para pintar o corpo o turista paga entre R$ 5,00 a R$ 10,00 , dependendo do tipo de pintura feita pelo indígena.

Edilene Guajajara, artesã, produz artesanato diariamente e nos períodos de festas tradicionais como o carnaval, festejos juninos e moqueado, chegando a não dá conta da demanda. De acordo com a artesã, os produtos mais comercializados são as roupas, capacetes (cocar indígenas) e bijuterias, tudo produzido com linha, sementes, canutilhos e penas.  Os preços das bijuterias variam conforme a peça. Um brinco, por exemplo, é vendido a R$ 5,00 (cinco reais), a rede é a peça considerada de maior valor de venda, R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais).

“O artesanato que eu faço é de encomenda, as roupas das meninas da festa do moqueado, as bolsas para o carnaval e os enfeites para os dançarinos das quadrilhas juninas, tudo isso eu faço. A própria cacique da aldeia incentiva a produção e ajuda a vender. Esse dinheiro ajuda muito na minha renda, é com ele que eu compro minhas ‘besteirinhas”, ressaltou Edilene.
A cacique Yara Guajajara é técnica em enfermagem e uma das principais incentivadoras da atividade na aldeia. Segundo ela, a oportunidade que o turismo proporciona para os indígenas é a promoção da cultura de seu povo, a melhoria da renda e o incentivo ao cuidado com o meio ambiente. “Recebemos o visitante muito bem. Aqui ele toma banho em um rio limpo, visita as cachoeiras, conhece e experimenta os costumes do nosso povo. Temos prazer em divulgar e promover o turismo local, não somente para mostrar a nossa tradição e costume, mas pra mostrar que a tradição pode caminhar com inovação”, destacou a cacique.    

Para a gerente regional do Sebrae, Cecília Salata, o crescimento e desenvolvimento do setor se dá em diferentes ramificações dentro do que se pode classificar como turismo rural e, agora, turismo indígena. “O Sebrae participa dessa construção, orientando e capacitando todos os empresários e potenciais empresários, no intuito de ter sucesso com as ações, desenvolvendo o mercado de forma mais abrangente”, coloca a gerente. Ela esclarece que todo atrativo turístico só se transforma em negócio quando ele se vira um produto turístico, agregando serviços às belezas naturais, para que o cliente possa aproveitar o local e usufruir de toda a sua potencialidade. “Estamos no processo de identificação do potencial turístico em Grajaú e vamos capacitar e orientar os pequenos negócios, visando o desenvolvimento de ações empreendedoras para melhorar a qualidade de vida e autoestima dessas comunidades”, ressaltou Cecília.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado pela sua participação grato
por sua visita!...e fique a vontade para opinar.

seta

seta

CONTATO DO BLOG:Folha de Cuxá

josinaldosmille@hotmail.com

colunaemfolhadecucha@gmail.com

Telefones:(99)98157-6879 //(99)-99175 - 2799

BLOGOSFERA