palavra viva

“LEVANTAI OS OLHOS E OBSERVAI AS ALTURAS: QUEM CRIOU TUDO ISSO? FOI AQUELE QUE COLOCA EM MARCHA CADA ESTRELA DO SEU INCONTÁVEL EXÉRCITO CELESTIAL, E A TODAS CHAMA PELO NOME” (ISAÍAS 40:26)

DOAÇÕES

DOAÇÕES

DOAÇÕES

Obrigado a todos que mensalmente mostram seu apoio para O BLOG FOLHA DE CUXÁ. Lembre-se de fazer uma doação de qualquer valor R$ para a continuidade do nosso trabalho. Qualquer quantidade de apoio financeiro neste momento será direcionada para cobrir despesas e manutenção. Agradeço antecipadamente...obrigado a todos que mostraram seu apoio para o nosso trabalho!

O SIGNIFICADO DA VIDA

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Indígenas e quilombolas ocupam sede da Funai em Imperatriz.


Desde a tarde desta segunda-feira (5), povos indígenas Krenyê, Gamela, Kreepynm, Gavião e quilombolas ocupam a Coordenação Regional da Funai em Imperatriz (MA).

A ação compõe o quadro de atividades da "Articulação Nacional" contra a PEC 215, que denuncia o desmonte de direitos indígenas, quilombolas e unidades de conservação e ainda, decisões do Supremo Tribunal Federal que anularam as portarias declaratórias de terras indígenas, dentre elas a revisão dos limites da terra indígenas Porquinhos, dos Kanela Apanyekrá.

Entre as reivindicações, destaca-se a luta pelo reconhecimento étnico e territorial. Um grande impasse é a realidade enfrentada pelo povo Krenyê, que foi retirado de seu território de origem na primeira metade do século XX devido a conflitos com criadores de gado e uma epidemia de sarampo. Em razão disso, durante cinco anos viveram na periferia da cidade de Barra do Corda (MA) de forma precária, sem assistência dos órgãos públicos responsáveis em atender os povos indígenas e, enfrentando preconceito e discriminação.

Em 2010 os Krenyê adquiriam uma chácara com recursos próprios, onde constituíram a Aldeinha São Francisco e vivem à espera da demarcação de sua terra, enfrentando ainda uma série de dificuldades no que diz respeito ao atendimento à saúde, educação e outros.

A ocupação deve seguir pelos próximos dias e além dos povos indígenas e quilombolas, tem articulação do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Rede Justiça nos Trilhos, Cáritas, Moquibom, Miqcb, Dioceses de Viana e Imperatriz, Teia dos Povos e Comunidades Tradicionais do Maranhão, com o apoio da Associação dos Catadores de Material Reciclável (Ascamari) e do Movimento das Comunidades Produtoras (MCP).

Mariana Castro.
Rede Justiça nos Trilhos
Assessoria de Comunicação
Rede Justiça nos Trilhos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado pela sua participação grato
por sua visita!...e fique a vontade para opinar.

seta

seta

CONTATO DO BLOG:Folha de Cuxá

josinaldosmille@hotmail.com

colunaemfolhadecucha@gmail.com

Telefones:(99)98157-6879 //(99)-99175 - 2799

BLOGOSFERA